sexta-feira, 7 outubro 2022
Palato Especiarias
Tags Posts tagged with "Paulo Darze Galeria"

Paulo Darze Galeria

Nessa quinta-feira, dia 4 de agosto, das 19 às 22 horas, com temporada até 3 de setembro, a Paulo Darzé Galeria em Salvaador expõe 32 fotografias de Christian Cravo, com o título “Anima”. A apresentação da mostra é assinada por Thaís Darzé.

Anima. Palavra de origem latina que designa a parte individual de cada ser humano, a “alma”. Em latim, significava literalmente “sopro, brisa, ar” possivelmente a partir daí adquiriu o sentido de “sopro vital, alma”, já que para a humanidade a alma está relacionada a algo imaterial, intangível e espiritual. Em “Anima” exposição individual de Christian Cravo na Paulo Darzé Galeria, o artista visual que tem como suporte a fotografia, apresenta um novo conjunto de 32 imagens realizadas entre 2015 e 2022.

Na elaboração desse projeto, o artista utiliza duas series distintas, porém ambas produzidas em tempos praticamente concomitantes. Ao passo que Christian passa longas temporadas no continente africano se dedicando a sua difundida serie “Luz e Sombra” que lhe redeu três publicações e seis mostras, ao voltar de suas viagens “Anima” vinha nascendo de forma silenciosa e oculta para o público. Durante seus retornos para casa, sua esposa Adriana e suas três filhas, Sofia, Helena e Stela, eram suas musas e fontes de inspiração. Apesar do novo recorte, permanecemos diante das questões da construção da imagem, e seu problemas essenciais de luz, tempo e espaço. A fusão dos dois trabalhos em um, estabelece um diálogo estético tão harmonioso, consagrando a questão estrutural do corpo de obra de Christian Cravo, “luz, tempo e espaço”.

Na psicologia Junguiana, existe uma psique arcaica, possuidora de diversos arquétipos, que é a base de nossa mente individual. Jung (1987) diz que o arquétipo “Anima” é o lado feminino da psique masculina e o arquétipo “Animus” compõe o lado masculino da psique feminina. Partindo da compreensão desses arquétipos, podemos estabelecer uma comparação entre eles e a produção de Christian nos últimos anos.

Seu lado masculino, cruza o atlântico e faz sucessivas viagens ao velho continente, para fotografar a vida animal, a natureza selvagem, imagens marcadas por um distanciamento emocional e ausência de figuração humana (presença marcante em produções anteriores do artista). Para essa mostra em específico, apenas as imagens produzidas nos desertos da Namíbia estão presentes, o que confirma excesso de aridez, uma certa atmosfera de esterilidade das imagens, quando vistas de forma isolada.

Partindo do pressuposto de que para a personalidade ficar bem ajustada é necessário equilíbrio entre masculino e feminino, a atmosfera infértil das imagens africanas, ganham novo sentido e nova potência quando acompanhas das imagens produzidas no cotidiano do artista, na presença de suas mulheres, “Anima”, emerge e traz o balanceamento necessário.  Nas imagens de família, temos excesso, afeto, acolhimento, gestação, poder do feminino que acolhe e nutri a vida.

A figura humana retorna na obra de Christian Cravo, mas a questão da espacialidade permanece, o gesto do corte, que subtrai das figuras e da espacialidade uma fatia do real, pontuado por Lidia Canongia em seu texto “A margem do real”, se preservam com a mesma ênfase, apenas partes dos corpos são enquadrados e a tomada de campos visuais bem restritos se mantém.

Em tempos de intolerância, como o que vivemos, que se manifestam atualmente no número alarmante de crimes de ódio baseado por questões de gênero, o artista reconhece a urgência contra essas ações violentas que marcam a sociedade brasileira contemporânea. “Anima” é no mínimo um convite a reflexão e apelo por mais respeito e tolerância a todos os arquétipos que coabitam em cada um de nós”.

Christian Cravo

Nasceu em 1974, de mãe dinamarquesa e de pai brasileiro. Foi criado num ambiente artístico na cidade de Salvador, Bahia, convivendo com o mundo das artes desde a mais tenra idade. No entanto, só começou suas experiências com a técnica fotográfica aos onze anos de idade, enquanto morava na Dinamarca, lugar onde passou toda sua adolescência. Em 1993, interrompeu suas pesquisas fotográficas para cumprir o serviço militar nas forças armadas dinamarquesas. Com vinte e dois anos, volta ao Brasil, sua terra natal, quando começa a ficar profundamente entrosado com a máquina fotográfica.

Ao longo dos últimos vinte anos, Christian conseguiu ver seu trabalho reconhecido, não apenas no nível nacional, mas também internacionalmente, por meio de exposições no Museu de Arte Moderna da Bahia, no Throck Morton Fine Art em Nova Iorque, na Billed Husets Galery em Copenhague, no Ministério da Cultura em Brasília, no Instituto Tomie Ohtake e no Museu Afro Brasil, ambos em São Paulo e em exposições coletivas como na Witkin Gallery em Nova Iorque, na S.F. Camera Works Gallery na Califórnia, na Bienal Fotofest em Houston e no Palais de Tokyo em Paris. Recebeu prêmios do Museu de Arte Moderna da Bahia, e do Mother John International Fund for Documentary Photography. Além de bolsas de pesquisa da Fundação Vitae e da Fundação John Simon Guggenheim para sua pesquisa sobre a água e a fé. Em 2016 foi premiado pela APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) pela melhor exposição fotográfica de 2015. Já foi indicado para prêmios internacionais como o Paul Huff (Holanda 2007) e o Prix Pictet (Suíça/Reino Unido, 2008 e 2015 e 2016).

Seu primeiro livro “Irredentos” foi publicado em 2000. Em 2005 o segundo livro “Roma noire, ville métisse”, publicado em Paris, por Autrement. Outros livros de sua autoria são: “Nos Jardins do Éden” 2010, “Exú Iluminado” 2012, “CHRISTIAN CRAVO”, editado pela prestigiada editora Cosac & Naif 2014 e “MARIANA” 2016.

A Paulo Darzé Galeria de Arte tem sua sede na Rua Chrysippo de Aguiar 8, Corredor da Vitória Salvador, Bahia Tel.(71) 3267.0930 (71) 9918.6205 – www.paulodarzegaleria.com.br – paulodarze@terra.com.br.

 

A exposição fica aberta à visitação pós-lançamento, podendo ser vista, sem agendamento, no horário de funcionamento da galeria, de segunda à sexta, de 9h às 19h, e aos sábados de 9h às 13 horas,

A Paulo Darzé Galeria apresenta até essa sexta-feira dia 18 de fevereiro a exposição Ìyàmì, com obras inéditas da artista Nadia Taquary, tendo como curadores Ayrson Heráclito e Thais Darzé.

Nadia Taquary investiga tradições, métodos e práticas afro-brasileiras, a partir da história do povo negro no Brasil e deste legado ancestral debruça suas pesquisas sobre a joalheria crioula e os adornos corporais africanos. Em sua produção inaugural apresenta elaborações escultóricas que falam sobre as táticas de conquista da liberdade por africanas escravizadas. Dando foco ao adorno que carregam no ventre, que luta para ser livre – a penca do precioso balangandã em um corpo guardador do pecúlio.

Nessa mostra, intitulada Ìyàmì, são apresentadas obras que afirmam o poder mítico e ancestral do feminino responsável pela própria energia geradora da vida. A artista dá visibilidade a um repertório de apurados Ìtàns que revelam as divindades como o maior símbolo do poder feminino na cultura Nagô.

Acompanhe mais sobre a artista no instagram @nadiataquary  e sobre a galeria e horarios de visitação no @paulodarzegaleria.

 

 


SA Agência Digital