terça-feira, 13 abril 2021
Tags Posts tagged with "Commons Studio Bar"

Commons Studio Bar

Os My Friends

 

OMF Clube Foto HEDER NOVAES

Uma festa que exala musicalidade, suingue e alto astral. É assim que se pode descrever o OMF CLUBE – projeto idealizado por JP Castelhano & OsMyFriends, com o objetivo de reunir os amantes da boa música em clima de amizade. Com sucesso de público, o evento ganha nova edição nesse sábado, dia 20 de julho, no Commons Studio Bar, Rio Vermelho.

Na ativa desde 2005, a banda OsMyfriends é formada pelos vocal de JP Castelhano, Léo Castelhano (baixo), Igor Galindo (bateria), Ivã Barreto (percussão), Normando Mendes (trompete) e Gleisson Coelho (saxofone), recebendo nessa edição Jelber Oliveira (teclados).

JP & OSMYFRIENDS foto Herder Novaes

E, não é à toa que esse clube é considerado o baile do balanço. Para homenagear o Dia do Amigo, comemorado na data, os músicos receberão no palco o cantor Dão, que tem um repertório super dançante. O time do groove fica completo com a presença do DJ Roger n’Roll, cujo setlist não deixa ninguém parado.  O DJ fará a abertura da noite, às 22h. Quem já foi sabe, e quem não foi já ouviu falar: esse é o baile da positividade e da fraternidade, como todo bom Clube, e é para quem gosta de dançar.

Dão divulgação
DJ Roger n’Roll foto Herder Novaes

Sobre o OMF Clube: Fazer a galera agitar na pista é a principal característica desse encontro de amigos, que acompanham a trajetória da banda. No repertório, além das canções autorais, músicas dos Tributos a Tim Maia e Jorge Ben Jor, mescladas com releituras de clássicos do suingue de Gil, Caetano, Roberto Carlos, Moraes Moreira, entre outros. Esse é o Baile do groove, do sambarock, do funk, do ijexá.

A produção do evento pede para avisar que, quem colocar o  nome na lista amiga, acessando www.commons.com.br/listaamiga,   pagará R$ 25,00 pelo ingresso (com acesso ate 00H). Quem deixar para comprar na porta pagará R$35,00.

O Commons Studio Bar fica na Rua Doutor Odilon Santos, 224, Rio Vermelho.

 

 

JP Castelhano & OsMyFriends foto João Lins

JP Castelhano & OsMyFriends iniciam nova temporada do projeto OMF CLUBE, no próximo sábado, dia 04 de maio, no Commons Studio Bar, Rio Vermelho.  Nesse retorno, a banda recebe um friend de peso, o cantor e compositor Dom Chicla, representante do groove e do balanço baiano. A festa também contará com o setlist suingado do DJ Roger n’Roll, que abrirá a noite em alto estilo, a partir das 22h. Quem já foi sabe, e quem não foi já ouviu falar, que esse é o baile da positividade e da fraternidade para quem gosta de dançar. E atenção, se você colocar seu nome na lista amiga através do site da Commons (www.commons.com.br/listaamiga) pagará   R$ 25,00 para entrar. Nesse caso, o acesso será até meia noite. Quem deixar para comprar na porta do evento pagará  R$ 35,00.

Jp & OsMyFriends Foto João Lins

Fazer a galera agitar na pista é a principal característica desse clube de amigos, que acompanham a trajetória da banda. No repertório, além das canções autorais, músicas dos Tributos a Tim Maia e Jorge Ben Jor, mescladas com releituras de clássicos do suingue de Gil, Caetano, Roberto Carlos, Moraes Moreira, entre outros. Esse é o Baile do groove, do sambarock, ijexá, funk. Uma festa que celebra o balanço brasileiro.

Na ativa desde 2005, a banda OsMyfriends é formada pelos vocal de JP Castelhano, Léo Castelhano (baixo), Igor Galindo (bateria), Ivã Barreto (percussão), Normando Mendes (trompete) e Gleisson Coelho (saxofone), recebendo nessa edição Jelber Oliveira (teclados).

 

Commons Studio Bar fica na Rua Doutor Odilon Santos, 224, no Rio Vermelho.

 

 

 

Ministereo Público foto Alfamor

Após ser lançada, com louvor, em São Paulo, chegou a vez dos baianos conhecerem a mais nova produção musical, do grupo Ministereo Público Sistema de Som, intitulada de NEM RIDDIM. A festa de lançamento será realizada no próximo sábado, dia 28, no Commons Studio Bar, Rio Vermelho, a partir das 22h. O baile, que contará com as participações da cantora Pali Style e do músico Alan DuGrave,  promete agitar a noite com as melhores pedradas da música jamaicana. Os ingressos custam R$ 20,00 (vinte reais) e será vendido na porta. 

Ministereo Público foto Alfamor

O Instrumental (riddim), produzido por Dj Raíz e pelo baixista Alan DuGrave, foi mixado e masterizado na França pelo produtor Vitor Vagh. O novo álbum chega quente com a participação, nas faixas, de diversos artistas. Dentre eles, Larissa Luz, Flavia Coelho, Laylah Arruda, Mis Ivy, PALI Style e Victor-attila Vagh, que gravaram suas versões no verão deste ano em Salvador, no tradicional estúdio WR Bahia, Estúdio Caverna do Som e no Original Dubatak Records.

A Commons Studio Bar fica na Rua Odilon Santos, 244, no Rio Vermelho.

Forró da Gota foto de Heder Novaes

Um projeto que deu certo. E, se depender de musicalidade e competência, só tende a se expandir. Motivos para celebrar é o que não falta, mas essa semana o grupo Forró da Gota convoca o público para um encontro especial. Na quinta-feira (22/03), eles fazem show de lançamento da versão digital do seu primeiro álbum “Carroça de Pedal”, às 22h, no Commons Studio Bar (Rio Vermelho). Todas as músicas do disco estarão no repertório, além de releituras de clássicos do forró. Os ingressos podem ser comprados no local a partir das 22h e variam entre 15 e 25 reais. “Carroça de Pedal” ficará disponível nas plataformas digitais de música, como Spotify, Deezer, Itunes, entre outras.

Com fortes raízes na música e na fala do Nordeste, a “Carroça de Pedal” leva sonoridades contemporâneas e urbanas para a tradição dos ritmos regionais. O disco traz dez músicas autorais e conta com as participações de Pedro Pondé, Lívia Mattos, Aiace e Daniel Neto. A produção musical é de Irmão Carlos e Kalu. A primeira faixa se chama “Terreno Baldio” e pode ser acessada em www.forrodagota.com gratuitamente.

foto Heder Novaes

Caminhando pela nordestinidade, a banda vive o desafio criativo de manter a poesia e o gosto do xote e do baião, temperando com o rock, a guitarrada e o reggae.  Na sua formação original, o Forró da Gota não tem sanfona, que aparece no disco em momentos especiais. Na ausência do fole, o resfolego fica por conta do fôlego inventivo da banda e do diálogo entre esses ritmos e influências.

Idealizado pelo cantor, compositor e poeta Kalu, o Forró da Gota estreou em 2011, no Teatro Vila Velha, em Salvador, e hoje é composto por Kalu (voz, cavaquinho e guitarra), Alexandre Espinheira (zabumba e voz), Thiago Meota (triângulo e efeitos), Tomaz Loureiro (baixo) e Tito Fukunaga (flauta transversal). Em 2017, a banda lançou o compacto “Lua de Luiz”, disponível nas principais plataformas de música.

Pela primeira vez em solo baiano, a cantora carioca Ana Cláudia Lomelino se apresenta nesse domingo, dia 24, na Commons Studio Bar, localizada no Bairro do io Vermelho, dentro da programação do Intercenas Musicais. Casada com o músico Bem Gil, que a acompanha desde a época da banda Tono, Mãeana foi o nome adotado pela artista, em seu primeiro albúm lançado em 2015 pela gravadora Joia Moderna.

Em seu disco de carreira solo, Mãeana contou logo de cara, com composições de Caetano Veloso (Bem Feito) e Adriana Calcanhoto, feitas exclusivamente para a intérprete que é fã de Xuxa e acredita em  disco voador.

“Ana Cláudia sempre me impressionou pela profundidade de sua feminilidade. O jeito de ela aparecer pela primeira vez a desconhecidos, os objetos que ela colecionava ou construía em sua casa, tudo tinha a marca dos sonhos de menina, dos projetos inconscientes de mulher. Recortes de papel, bonecos, adereços de brinquedo mesclados aos de aparência étnica, tudo trazia ao tato as imagens de poesia escrita por moça. Poderia ser a coisa mais enjoativa que se possa imaginar. No entanto não o era. Era demasiado pessoal, original, único: insinuava uma forma de agressividade, tinha um tom de petulância, de desabuso. Intrigava tanto que o doce era cortado antes de as papilas o detectarem. Eu não sabia que ela cantava. Fui sabendo aos poucos da futura existência pública da banda Tono. Quando ela chegou aos palcos, seu canto hipnotizava guitarristas e leigos. Estavam em sua voz as borboletas de papel, as tiaras de miçangas, tudo, mas nada disso estava do lado de fora do seu timbre. Guardado no estilo radicalmente cool, esse acervo fervia sob a calmaria. No entanto, ela queria mostrar, mais e mais, pontas desse iceberg em brasa: nalguma pintura no rosto, nalgum adereço de mão, num punhado de lantejoulas colocado em lugar surpreendente. Envolta na exuberância dos seus colegas de grupo, ela era discreta demais e, ao mesmo tempo, um pouco estridente demais em pequenos detalhes. Um dia Danilo Caymmi pediu-lhe que cantasse “Nunca mais”, essa obra-prima de Dorival. E meus amigos músicos me falavam de sua versão dessa música como de algo superiormente especial. Por vários acasos, tardei muito a ouvi-la. Mas quando o fiz, me deparei com uma surpreendente confirmação do que entusiasmava meus amigos. Não era parecido com o que eu esperava. E era melhor do que isso. Agora, mãeana, Ana Cláudia Lomelino, lança seu primeiro álbum solo. Bem Gil, na produção, organizou os sons de modo tão minuciosamente delicado e fluido que a gente já se contentaria apenas com a beleza da produção de estúdio. Mas ele e ela foram mais longe: as canções foram escritas para ela, pessoas da sua família biológica, dotadas de musicalidade e de amor pela música (essas duas coisas não são idênticas) participam da aventura. Ana Cláudia vem com todo o seu mundo. Há, entre os críticos profissionais, uma facilidade arriscada que consiste em dividir as novas cantoras entre as que insistem no cool e as que se mostram “viscerais”. Em geral, os que falam nisso tendem a preferir as extrovertidas. Considero que seria igualmente equivocado escolher as outras. Para ouvir uma cantora como Ana Cláudia, é preciso estar livre disso. Faz cerca de uma semana que me convenci de que, tecnicamente (mas não só), a nova cantora brasileira mais dotada é Anitta. Ouço Ana Cláudia ou Ana Cañas, Tulypa Ruiz ou Tiê, considerando essa perspectiva. Ana Cláudia, pois que aqui é dela que estamos falando, é cantora de verdade, original e artista de sua arte. Não é apenas que eu goste dela (e eu gosto muito): é que ela tem conteúdo próprio, mistério e vida íntima em seu canto. Eu próprio compus uma canção, como meus colegas compositores que estão neste disco, baseada nas imagens que Ana Cláudia nos mostrou e esconde de nós.” texto de Caetano sobre Mãeana.

Mãeana por @ckuschnir

A abertura da noite ficará por conta da cantora Neila Kadhi, apresentando o show “Cá com meus botões”, conduzindo o espectador ao universo da genealogia musical da artista, ancorado na diversidade e pluralidade da música brasileira e baiana, inspirada em referências musicais de matriz africana, árabe, nordestina, numa linguagem contemporânea, mantendo um autêntico sotaque baiano.

SERVIÇO:

O QUE: Intercenas Musicais com Mãeana e Neila Khadi

QUANDO: Domingo, 24 de setembro a partir das 19h

ONDE: Commons StudIo Bar, io Vermelho

QUANTO: R$10 (www.commons.com.br – lista amiga até 20h) e R$ 15 na porta.

Após 10 anos de uma trajetória musical, a cantora e compositora baiana Maira Lins, apresentou recentemente o seu primeiro vídeo clipe em carreira solo, “Dançando aos seus pés”, canção de Leonardo Reis e Peu Meurray.

O show “Voz Morena” apresentará essa e outras canções inéditas da cantora no palco do Teatro Gamboa Nova em Salvador  nos dias 20 e 27 de agosto, às 17h.

Com direção de Osvaldo Rosa e preparação coreográfica assinada por Dan Costa, o videoclipe tem a participação do ator Leandro Villa e fotografia de João Tatu da Simples Produções.

O resultado é um lindo trabalho que leva o espectador pra dentro da canção a dançar com Maira Lins, sua voz e o arranjo.

Maira participa nesse sábado[22] do show da banda Os My Friends na Commons Studio Bar no bairro do Rio Vermelho, em um verdadeiro tributo ao mestre Tim Maia.

O agito ainda contará com Lutte na discotecagem e canja do cantor Filipe Lorenzo. Os Ingressos podem ser retirados no Sympla e na portaria da casa.

Foto : Marcio Lima

 

 

O cantor, compositor e guitarrista Victor Pedreira está de volta a Salvador para apresentar o show “Pedreira”, na Commons Studio Bar, no Rio Vermelho, nesta quinta-feira (27), a partir das 21h30.

A apresentação é uma das habilitadas, na categoria “Melhor Show”, ao Prêmio Caymmi de Música 2017, no qual ele ainda concorre, na categoria “Melhor Música”, com a canção autoral “O Farol”.

Os ingressos para o evento, que vai contar com a abertura do DJ Mauro Telefunksoul, custam R$ 15 (antecipado), R$ 20 (nome na lista) e R$ 25 (portaria).

“Vai ser uma noite muito especial, onde eu vou ter a alegria de trazer novamente meu show pra Salvador, apresentá-lo para os jurados do prêmio e dividir esse momento com a galera que vem me acompanhando e solidificando o conceito dessa apresentação. Estou bem confiante de que causará uma boa impressão em quem estiver presente. Espero que seja mais um etapa vitoriosa”, comenta Victor Pedreira, sobre a apresentação que poderá leva-lo à próxima fase da premiação na categoria “Show”.

Em “Pedreira”, Victor mostra um repertório baseado em seu álbum autoral homônimo, com canções que trazem letras que conseguem equilibrar perfeitamente otimismo e reflexão, entre as quais se destacam “Partida”, “Aquilo que chamava amor”, “O Farol” e “Esse Anoitecer”. Para a ocasião, o artista convidou os músicos Rodrigo Fróes (baixo), Lucas Gonzaga (teclado) e Reni Almeida (bateria), com os quais também irá fazer releituras de sucessos de grandes artistas como Caetano Veloso, John Mayer, Jimi Hendrix e Dave MatthewsBand.

SERVIÇO:

O QUE: Show Victor Pedreira

ONDE: Commons Studio Bar (Rio Vermelho)

QUANDO: 27 de abril (quinta-feira)

QUANTO: R$ 15 (antecipado), R$ 20 (nome na lista) e R$ 25 (portaria)

ONDE COMPRAR: Sympla (http://migre.me/wrYyM)

 

A banda “Os My Friends” faz mais uma edição da festa” O HOMEM DA GRAVATA FLORIDA” nesse sábado[29] a partir das 22h na Commons Studio Bar no Rio Vermelho em Salvador.

Uma grande homenagem a o artista Jorge Ben Jor que  contará com participações maravilhosas da roqueira Thathi e do cantor Lutte na discotecagem da noite.

Desde 2005 a banda “Os My Friends” cresceu com a referência do suingue da música brasileira, tendo a levada de Jorge Ben Jor e Gilberto Gil, até o groove de Tim Maia . Liderada pelo cantor JP Castelhano, a banda é formada pelos musicos Marcelo Tribal na percussão, baixo by Leo Castelhano, nos teclados Paulo Fael e batera Igor Galindo.

SERVIÇO:

O QUE: Banda “Os My Friends”
QUANDO: Sábado[29] a partir das 22h
ONDE: Commons Studio Bar – Rua Odilon Santos – Rio Vermelho
QUANTO:  R$ 20 (nome na lista – até 00:00 (www.commons.com.br/amigalista )
R$ 30,00 na Porta.

Omolu

Pode preparar o look soltinho e aquele elástico para prender o cabelo que nessa sexta(10) vai rolar aquele pagodão e muito funk  na Commons Studio Bar, no bairro do Rio Vermelho em Salvador. O produtor e dj Rafa Dias, conhecido por geral como Attooxxá, vai comandar a primeira edição do Baile Black Bang em colab com a festa Arrastão do carioca Antonio Antmaper, famoso nacionalmente como o Dj e produtor Omolu. 

Para ajudar nas pickups com o melhor dos mashups da quebradeira típica baiana,o pagode, Attooxxá intimou  o cantor,compositor e instrumentista Oz, enquanto Omolu escalou sua esposa e parceira das carrapetas, Ioia. Confira o set dos djs e chama a galera!

 

SERVIÇO:

O QUE: Baile Black Bang(Attooxxá + OZ) X Arrastão(Omolu+IOIA)

ONDE: Commons Studio Bar, Rio Vermelho, Salvador, Bahia

QUANDO: Sexta(10) a partir das

QUANTO:  R$ 15 (www.commons.com.br/listaamiga até 0h), R$ 15 + R$ 2,00 (Taxa) (Antecipado no SYMPLA) R$ 20 (na hora, sem lista)

Attooxxa

Com 26 anos de idade e uma vasta experiência no mundo musical, o produtor musical e dj Rafa Dias tem bombado nas noitadas das principais capitais do Brasil e mundo a fora. Recém chegado de uma pequena turnê pelo México, Attooxxa como é conhecido nas baladas, será o anfitrião da feijoada organizada pela Commons Studio Bar nessa quinta(02), para celebrar Iemanjá.

Attooxxa tem arrastado uma turma descolada por onde passa, com seu som empolgante, misturando pagode a hits consagrados do pop internacional, promovendo uma verdadeira miscelânea que não deixa ninguém parado. Uma catarse rítmica, altamente pulsante. com batidas percussivas e toda modernidade dos beats eletrônicos.

O Baile Black Bang dará o tom a tarde da Commons que contará ainda com feijoada que será servida a partir do meio dia . Maiores informações e toda a programação do final de semana da casa que contará com shows na sexta(03) com as cantoras Josyara(BA) e Iara Rennó(SP), no sábado(03) com Suinga(21h) e A Festa das Festas(22h) e domingo(04) a partir das 18:30 com Ronei Jorge e Siba(PE) no instagram @commonsbahia .

SERVIÇO:

O QUE: Festejo Baianidades com Attooxxaa

ONDE : Commons Studio Bar, RIo Vermelho, Salvador

QUANDO:  Quinta(02) 11h Abertura da casa/12h Feijoada/ 15h Show Attooxxa e Baile Black Bang

QUANTO: R$ 10/R$ 30 com Feijoada

 

 


SA Agência Digital