sexta-feira, 28 janeiro 2022
Tags Posts tagged with "Ana Cañas"

Ana Cañas

Ana Cañas passeia com sabedoria pela obra de Belchior em seu novo álbum, “Ana Cañas canta Belchior”, que já está disponível nas principais plataformas de streaming.

A cantora e compositora paulista achou sua própria linguagem para trazer de forma certeira 14 faixas que prezam pela sutileza e ao mesmo tempo por interpretações densas e profundas. Misturar Ana e Belchior, e seus planetas no signo de Escorpião, só podia resultar em algo intenso, para se jogar de alma e é difícil parar de escutar.

Ela já abre o disco com “Coração Selvagem”, deixando claro que força e feminilidade são elementos que sobressaem neste projeto. Outros grandes sucessos do cearense como “Sujeito de Sorte”, “Paralelas”, “Alucinação”, “Velha Roupa Colorida” e “Como Nossos Pais” também ganharam o jeito especial de Ana, que com este projeto mostra porque é uma das intérpretes mais interessantes da música brasileira.

Há também, releituras de músicas mais lado B de Belchior, como “Na Hora do Almoço”, “Medo de Avião” e “Galos, Noites e Quintais”. Os arranjos produzidos pela própria artista e por Fabá Jimenez são minimalistas e impactantes.

“Acho que o fato de ter poucos elementos acaba por ressaltar a voz, a interpretação. E esse foi o desafio. As músicas versam geralmente sobre paixão, catarse e reflexão social. Exige uma compreensão ampla das camadas do coletivo e suas intersecções. Apesar de muitas metáforas e poesia, também traz uma literatura direta e acessível. É um universo bastante complexo e há que se despir para mergulhar nele”, analisa Ana.

E o pulo de cabeça da artista no oceano de Belchior começou há dois anos. Uma live despretensiosa com esse repertório resultou em mais de meio milhão de plays no YouTube e os fãs imploraram para o registro das gravações em estúdio. O momento era complicado, a grana curta, mas o próprio público de Ana se uniu para financiar este disco.

Toda a história deste projeto é mesmo especial, assim como o resultado. “Sinto que uma voz feminina relendo um clássico da música popular brasileira é como um portal. Novos sentimentos e olhares. Cresci ouvindo Elis, Gal e Bethânia fazendo isso como ninguém e redirecionando músicas (escritas geralmente por homens) em versões definitivas. Porque mulheres têm um abismo singular, conhecem cerceamento e opressão de forma única e isso é traduzido no canto com uma força peculiar”, defende a intérprete.

Capa Ana Turra

E a visceralidade deste disco ganhou registro e se transformaram em 14 visualizers dirigidos por Ariela Bueno. “A ideia é trazer uma espécie de disco visual e aproximar o público do making of, para que as pessoas possam conhecer os meandros das gravações e bastidores do projeto. “O de “Como Nossos Pais”, por exemplo é o real take do disco, algo muito raro de conseguir e calhou de a diretora estar dentro na cabine de gravação quando fiz o take que escolhemos para o disco. Ele é bastante especial”, opina.

Apresentadora
O lançamento do álbum acontece quase que simultaneamente ao debut de Ana como apresentadora. Dia 25 estreia o programa “Sobrepostas” no Canal Brasil e na Globoplay com a cantora recebendo mulheres (cis e trans) e pessoas não-binárias para conversas francas sobre sexo, prazer e autoconhecimento. “A real é que os dois projetos têm tudo a ver. O universo belchiorano é bastante sexual (‘Quero gozar no seu céu / Pode ser no seu inferno’). A sexualidade feminina ainda é um tabu em 2021 e Belchior já falava sobre isso em diversas músicas, há 40 anos. Apresentar um programa sobre esse tema na televisão conversa com a sua obra, sem dúvida” afirma.
O programa foi criado e dirigido por Lívia Cheibub e Martina Sönksen. Em cada episódio, as convidadas são recebidas por Ana em uma casa onde papo é sempre afetivo e revelador – a ideia é criar um clima de acolhimento e intimidade. Um espaço seguro, de escuta e troca. A abordagem dos temas não se dá sob o olhar do estranho – como algo a ser desvendado por especialistas – mas tendo as mulheres como protagonistas de suas narrativas. A temporada de estreia se dedica às primeiras vezes: a primeira masturbação, primeiro squirt, o primeiro menàge, o primeiro vibrador… “Sobrepostas” é um convite para mulheres de todas as idades resgatarem suas próprias memórias da iniciação sexual, passando pelos momentos de excitação, frustração, autoconhecimento, desejo e fantasias, incentivando a conversa de forma natural e acolhedora.

Ao longo do programa, cenas ficcionais e eróticas ilustram um pouco das experiências compartilhadas pelas convidadas. Essas imagens são sensoriais, buscam a valorização dos corpos, cada um com sua subjetividade e experiência. Ao invés de promover sentimentos como vergonha e timidez, as cenas buscam incentivar a autovalorização e o prazer corporal.

OUÇA

foto Marcus Steinmeyer

Após o sucesso da primeira edição em 2015, o Festival Sangue Novo chega ao seu segundo ano no dia 17 de dezembro, mais uma vez no Museu Du Ritmo, em Salvador. Evento voltado para destacar o melhor da geração século 21 da música popular brasileira, o Sangue Novo trará ao todo para a capital baiana na edição 2016 seis atrações. Marcelo Jeneci, Tulipa Ruiz e Ana Cañas juntam-se aos baianos da Maglore, IFÁ Afrobeat e Manuela Rodrigues, em apresentações que totalizarão dez horas de  shows, com alguns dos melhores artistas e bandas da novíssima produção musical nacional e local.

A ideia é aprimorar a experiência bem-sucedida do Festival no ano passado, criando uma programação que mescla talentos locais e nacionais da nova geração. Geração essa que é formada dentro de um novo conceito de produção e divulgação de sua música, o que envolve usar todas as ferramentas digitais e um novo conceito de gerenciamento das suas carreiras”, diz o jornalista e crítico musical Hagamenon Brito, curador da programação do Festival e também idealizador, produtor e apresentador do Sangue Novo, da Globo FM, programa que empresta seu conceito de privilegiar a nova geração autoral da música contemporânea brasileira .

O Sangue Novo vai ao ar na Globo FM todas as quintas-feiras, das 21 às 22 horas. “É um prazer observar que alguns desses artistas nos quais acreditamos já começam a ter um maior espaço no mainstream, inclusive participando de trilhas de novelas. Porque pode até demorar, mas o novo sempre vem e se impõe”, completa Hagamenon.

“O Festival trará ações paralelas de grafite, feira de empreendedores criativos e uma mostra de clipes, curtas e documentários musicais. A transversalidade da música e seu consumo nos mais diferentes formatos, esse é nosso objetivo principal”, diz Fernanda Bezerra, diretora-geral da Maré Produções Culturais, realizadora do Festival que conta com o apoio da Skol, Globo FM e Shopping da Bahia.

Os ingressos estão à venda pelos valores de R$ 20 (meia) e R$ 40 (inteira) pela plataforma Sympla

SERVIÇO:

O QUE: Festival Sangue Novo com Marcelo Jeneci, Tulipa Ruiz, Maglore, Manuela Rodrigues e Ana Cañas.

ONDE: Museu du Ritmo, Comércio, Salvador

QUANDO: 17 de dezembro

QUANTO: R$ 40(Inteira) R$20(Meia)

ONDE COMPRAR: SYMPLA

 

A cantora paulista Ana Cañas é a primeira atração confirmada para a 2ª edição do Festival Sangue Novo, que acontece no dia 17 de dezembro, no Museu Du Ritmo, em Salvador. Ana traz para a capital baiana pela primeira vez o show do seu elogiado disco “Tô na Vida”, de 2015, o quinto da sua carreira iniciada em 2007 com o álbum “Amor e Caos”. “Tô felizona de chegar com o ‘Tô na Vida’ aí em Salvador! O show já tem um ano e meio de estrada, é um show mais pesado, mais rock’n’roll mesmo, com um power trio alucinante. Como já temos esse tempinho rodando, o show já adquiriu algumas características novas, músicas que não estavam no repertório inicial. Mas é assim mesmo, vai amadurecendo – e melhorando – com o tempo”, declara Ana.

O Festival Sangue Novo é resultado do conceito do programa Sangue Novo, da Rádio Globo FM, que privilegia artistas e bandas da geração século 21 da nova música popular brasileira. O programa é idealizado, produzido e apresentado pelo jornalista e crítico musical Hagamenon Brito, que também é o curador da programação dos shows do Sangue Novo.  Já o festival é uma realização da Maré Produções Culturais, com patrocínio da Vivo, via plataforma Vivo Transforma e do Governo da Bahia, por meio do Fazcultura. A programação completa do evento, assim como os valores dos ingressos e pontos de venda, será divulgada ainda neste mês de outubro. Na sua primeira edição, em 2015, o Sangue Novo contou com os shows de Céu, Filipe Catto, Marcia Castro, Vivendo do Ócio e Dão.

Serviço:

O que: 2ª edição do Festival Sangue Novo

Atrações: Ana Cañas e outros artistas.

Quando: Dia 17 de dezembro

Onde: Museu Du Ritmo (Travessa do Cais do Ouro – Comércio).

Realização: Maré Produções Culturais


SA Agência Digital